5 de jun de 2017

Oposição opera para barrar plebiscito popular (Por Gabriel Souza)

Amigos, recebemos a seguinte mensagem do Jovem Deputado Gabriel Souza que busca fazer a diferença em defesa da comunidade, 

"É urgente! A bancada do PT e seus aliados na Assembleia operam para que o plebiscito popular não aconteça. Nem esse ano, nem ano que vem.

Primeiro, lembro que tentamos retirar essa necessidade de plebiscito para que os próprios deputados decidissem, mas não conseguimos nem mesmo votar essa proposta, já que a oposição barrou sua ida ao plenário no Colégio de Líderes.

Pois bem, agora nem mesmo a proposta de convocação de plebiscito - que o próprio PT e cia defenderam durante meses - está conseguindo ser votada devido a ação da oposição.

A estratégia é clara: eles não querem realizar plebiscito nem agora nem depois! Simplesmente não querem deixar o povo escolher o melhor para o Estado.

Mais uma vez, estão colocando acima dos interesses do Estado, suas divergências ideológicas.
Gravei um vídeo fazendo um respeitoso apelo aos parlamentares de oposição, para que permitam que a população escolha o que quer do futuro do nosso Rio Grande."


Peço a tua ajuda para compartilhar e fazer chegar nos destinatários, temos que apelar para o bom senso e para o espírito público de cada um


INSCREVA-SE ✔ CURTA ✔ COMENTE ✔  COMPARTILHE ✔


8 de mai de 2017

Carta 15 - informativo do PMDB-RS/Maio-2015


Próximos encontros
Na próxima semana o projeto "Construindo o Amanhã" chega a mais três macrorregiões. Na quinta-feira, 11 de maio, às 19h, no Auditório da AIAMU (R. dos Andradas, 1234, 8º Andar - Bloco B), Porto Alegre receberá as coordenadorias Metropolitano, Vale do Gravataí, Grande Canoas, Litoral Norte, Carbonífera e Costa Doce. Já na sexta, 12 de maio, às 19h, o encontro será na Sede do PMDB de Novo Hamburgo (R. José de Alencar, 68 – Rio Branco) e reunirá as regionais do Vale dos Sinos, Vale do Paranhana e Vale do Caí. Já no sábado, 13 de maio, às 9h, Caxias do Sul receberá a edição do projeto. A reunião será no TRI Hotel Executive (R. Ernesto Alves, 2083) e contemplará as coordenadorias Vinhedos, Serra, Campos de Cima da Serra e Encosta Superior do Nordeste.



#JuventudeNaEstrada
Neste sábado, 6 de maio, a JPMDB-RS irá realizar o segundo encontro de 2017 do #JuventudeNaEstrada na Câmara de Vereadores de Restinga Sêca (Rua Francisco Giuliani, 142), na região da Quarta Colônia. Com início às 14h, o debate será sobre o Plano de Modernização do Estado e pretende discutir a opinião dos jovens peemedebistas sobre o tamanho do Estado necessário. O evento é uma realização da Juventude do PMDB do Rio Grande do Sul (JPMDB-RS) em parceria com a Fundação Ulysses Guimarães do Rio Grande do Sul (FUG-RS) e apoio do PMDB-RS. Nesta edição, participarão do encontro os jovens das coordenadorias Centro do Estado, Quarta Colônia, Vale do Jaguari e Fronteira Oeste.




Diálogos
Neste sábado, 6 de maio, Panambi vai sediar a 2ª edição de 2017 do Diálogos PMDB Mulher RS. O evento terá início às 13h30, no Centro Cultural 25 de julho (rua José Bonifácio, 54 – Bela Vista), vai abordar o tema Mulher, política e sociedade com as coordenadorias do Planalto Médio, Celeiro, Zona da Produção e Médio Alto Uruguai. A realização é uma parceria entre núcleo feminino do PMDB, o Diretório Estadual e a Fundação Ulysses Guimarães do RS (FUG-RS).






Encontro em Lajeado
"Não se constrói o amanhã sem muito trabalho, sacrifício e responsabilidade", afirmou o presidente do PMDB-RS, deputado federal Alceu Moreira, na abertura do segundo encontro do projeto Construindo o Amanhã - as reformas que o País e o Rio Grande precisam, realizado na noite da última quinta-feira, 4 de maio, em Lajeado. A reunião, realizada na Câmara de Vereadores, reuniu peemedebistas das coordenadorias dos Vales do Taquari e Rio Pardo e é organizada pelo Diretório Estadual em parceria com a Fundação Ulysses Guimarães.

Contatos em Canoas-RS pelo pmdbcanoas@yahoo.com.br




22 de mar de 2017

PMDBRS Realiza Convenção Estadual em 25/03 das 8h as 13h

O Diretório do PMDB-RS realizará a sua Convenção Estadual no próximo sábado, 25 de março, das 8h30 às 13h, no Auditório da AIAMU (Rua dos Andradas, 1234, 8ª andar, Bloco B, Edifício Santa Cruz), em Porto Alegre. No encontro será eleito o novo Diretório Estadual que estará à frente da direção partidária pelo biênio 2017-2018. Durante a manhã haverá programação especial, com a participação de lideranças estaduais e o lançamento do Livro "O meu partido é o Rio Grande", do peemedebista Paulo Bureseska.

SERVIÇO

Data
25 de março de 2017

Horário
Das 8h30 às 13h

Local/Endereço
Auditório da Associação dos Agentes Fiscais da Receita Municipal de Porto Alegre (AIAMU)
Rua dos Andradas, 1234, 8ª andar, Bloco B, Edifício Santa Cruz, em Porto Alegre, (um andar abaixo da sede estadual).

Quem vota?
- Membros do Diretório Estadual
- Deputados Estaduais, Federais e Senador
- Delegados Municipais
* É permitido o voto cumulativo
* Suplentes votam a partir das 11h30

O que a Convenção elege?
- Diretório Estadual (71 membros titulares e 23 suplentes)
- Conselho de Ética e Disciplina Partidária (7 membros titulares e 7 suplentes)
- Delegados à Convenção Nacional (35 titulares e 35 suplentes)
* Integrantes da Comissão de Ética e Disciplina Partidária não podem integrar o Diretório ou qualquer outro órgão dirigentes.

Escolha da Executiva e Conselho Fiscal
- Após a Convenção Estadual e empossado o novo Diretório Estadual é realizada a eleição da Comissão Executiva Estadual (13 titulares 4 suplentes) e do Conselho Fiscal ( 5 titulares e 5 suplentes).
- A escolha dos dois órgãos pode ocorrer na data da Convenção Estadual ou até cinco dias após.

5 de fev de 2017

Enfrentar o sistema e superar a crise no RS

Por José Ivo Sartori
O gaúcho possui uma série de virtudes, dentre as quais se destacam a inconformidade, o pioneirismo e a coragem. Nossa gente não se cala diante da injustiça, não importa de onde ela venha. Somos uma sociedade crítica, exigente e altamente politizada. Temos espírito de liderança e capacidade de desbravamento. Erguemos regiões produtivas inteiras, de Santa Catarina ao Nordeste, com forte presença no Centro-Oeste. São marcas de um povo miscigenado e plural, com capacidade de trabalho, apreço pela liberdade e espírito cooperativo.

Essas mesmas características se destacam na atualidade, diante da necessidade de enfrentar a mais grave crise econômica nacional das últimas décadas e o déficit das contas do Estado, que inibiu investimentos e fez decair os serviços públicos. Em 2015, em nosso primeiro dia de governo, enquanto muitos duvidavam da crise, baixamos um decreto de austeridade e contenção de gastos. No mesmo ano, lançamos o Ajuste Fiscal Gaúcho, que reduziu o número de secretarias e cargos de confiança, aplicou parâmetros realistas para as leis orçamentárias e criou o regime de previdência complementar. Além disso, limitamos ao teto pensões e ganhos acumulados, aprovamos a primeira Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual do país, qualificamos a cobrança da dívida ativa e o combate à sonegação, atualizamos legislações na área de pessoal e reduzimos cedências de servidores. Assinamos o Acordo de Resultados com todas as áreas do governo – uma ferramenta de governança e gestão que compromete as equipes com entregas e indicadores concretos.

Em 2016, segundo ano da nossa gestão, a crise nacional se agravou. Essa realidade, somada aos gastos excessivos no passado, gerou insuficiência para pagar salários e prestar os serviços mais básicos. Novamente, não nos acomodamos. Apresentamos o mais amplo projeto de transformação da administração pública gaúcha, o Plano de Modernização do Estado. As propostas mexem em estruturas nascidas nas décadas de 1960 e 1970, que precisavam passar por uma atualização. Confrontam, portanto, um sistema organizado de poder e de micropoderes. Combatem privilégios e reestabelecem marcos de justiça e razoabilidade na distribuição de recursos. As incompreensões são naturais em qualquer processo de mudança, mas os gaúchos entenderam a necessidade de um novo modelo de Estado, voltado prioritariamente às áreas essenciais: segurança, saúde, educação e desenvolvimento social. Ou seja, um Estado a serviço de quem paga a conta da máquina pública – o povo gaúcho –, em especial daqueles que mais precisam.

Esse intenso processo de transformação anda em conjunto com a manutenção das atividades do Poder Executivo. Mesmo diante das grandes dificuldades, contratamos cerca de 4 mil novos servidores, a maioria para a área da segurança e da educação. Criamos novos marcos legais para concessões de estradas e parcerias público-privadas. Diminuímos o tempo de abertura de empresas e a resposta dos licenciamentos ambientais, promovendo uma lógica de desenvolvimento sustentável. Criamos as Cipaves, um programa de prevenção da violência que já está em mais de 2 mil escolas gaúchas, envolvendo toda a comunidade. Passo a passo, com serenidade nas atitudes e sem fanfarra demagógica na política, com o apoio da sociedade e do parlamento, estamos recolocando tudo nos trilhos.

Foi por isso que saímos na frente como o primeiro Estado a encarar a crise. Conseguimos avançar mais depressa no processo de renegociação da dívida com a União e nas contrapartidas do plano de recuperação fiscal proposto pelo governo federal. Não é fácil enfrentar o sistema e realizar mudanças, algo que só consegue um povo inconformado por natureza, pioneiro por vocação e corajoso por essência. Ainda temos um longo caminho pela frente, mas a história se repete: os gaúchos, mais uma vez, estão desbravando caminhos. Se todos ajudarem, o Rio Grande do futuro começará a tomar forma.

*Governador do Rio Grande do Sul
Artigo publicado no jornal Zero Hora dos dias 4 e 5 de fevereiro de 2017