16 de dez de 2016

José Ivo Sartori: O bom exemplo da história


Por Leticia Moreira
"Do governador José Ivo Sartori, do Rio Grande do Sul, não se pode dizer que seja um radical ou alguém extremamente apegado a uma fórmula para governar. Sua trajetória política cobriu todo um lado do espectro ideológic
o no Brasil: militou no movimento estudantil e no antigo Partido Comunista Brasileiro, entrou no MDB, oposição autorizada pela ditadura militar, e assim deslizou para este imenso vácuo de ideias e convicções que se chama PMDB. Por esse partido se elegeu prefeito de Caxias do Sul, em 2004, e governador do Rio Grande do Sul, em 2014. Pode-se dizer que ele tem uma trajetória da esquerda para o centro (na interpretação generosa de que a falta de posições do PMDB configure um centro). Surpreende positivamente que ele tenha, na semana passada, ilustrado suas intenções com uma referência à liberal Margar
et Thatcher, primeira-ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, uma política das mais convictas e aguerridas que já se viu.

Sartori anunciava, no Palácio do Piratini, sede do governo gaúcho, um conjunto de medidas econômicas e financeiras. Elas criam a possibilidade de as contas públicas do Rio Grande do Sul se colocarem numa trajetória saudável, no futuro. “Não causamos essa situação, mas precisamos enfrentá-la com ações e medidas concretas, inclusive com sacrifício de todos. Mas não basta um ato ou conjunto de medidas”, disse. “Essas políticas precisam continuar. Não será um homem só, um governo só, ou uma equipe só que fará isso.” Ao encerrar o discurso, mencionou a governante britânica. “Não concordo com todas as ideias de Thatcher, mas ela estava certa quando disse que ‘não existe dinheiro público, mas sim dinheiro dos pagadores de impostos e das famílias’.”

Pode-se amar ou odiar Thatcher, a depender de onde cada um se situa no espectro político, mas nunca faltaram a ela clareza e convicção, materiais tradicionalmente escassos entre os líderes brasileiros e absolutamente necessários para que o país encontre o rumo para fora da crise. A primeira-ministra assumiu o governo num momento em que os gastos cresciam mais rapidamente que a economia e fez um ajuste radical. A dívida pública e a inflação caíram como ela previa. O desemprego cresceu num primeiro momento, problema compensado mais tarde com a criação de novos negócios, e pode-se criticá-la por isso. Mas, se você é de esquerda, deveria adorar a possibilidade de ter uma oponente como ela, que fazia o que dizia, dizia o que pensava e pensava alguma coisa.

Para sermos justos com Sartori, ele já havia apoiado iniciativas de enxugamento estatal defendidas por governadores anteriores, como seu correligionário Antônio Britto (que ocupou o cargo de 1995 a 1999) e a tucana Yeda Crusius (que governou de 2007 a 2011). Nada do que seus antecessores fizeram, porém, iguala-se ao impacto do que propõe Sartori – reformar a Previdência estatal, extinguir órgãos governamentais, privatizar estatais e demitir funcionários públicos. Ao mesmo tempo, aceitar limites definidos pelo governo federal ou impor limites estaduais que coibirão aumentos salariais e concessão de benefícios ao funcionalismo, assim como novas contratações.

Pela ousadia de se submeter à matemática, ele já começou a colher as reações costumeiras diante de iniciativas desse tipo, num país em que o debate público ainda é muito pobre. O apoio ocorre de jeito comedido e um tanto cético dentro daquela parcela pequena da população que faz contas, entende os limites do Estado, acha necessário fazer planejamento de longo prazo e já viu boas iniciativas de governo sufocadas nos labirintos da política. A oposição, ao contrário, espalha-se como um incêndio, numa onda de pânico que envolve grandes grupos. Entre eles misturam-se má-fé, apego a boquinhas públicas, ignorância quanto à realidade aritmética das contas do governo, visão de curto prazo e uma indignação ideológica antiquada, que espera do Estado muito mais do que ele pode oferecer. O apoio é discreto e a oposição é barulhenta. Sartori vem levando vaias de manifestantes que se aglomeram diante do Palácio do Piratini. Antes disso, ele já vinha parcelando os salários de funcionários públicos, que em setembro o receberam aos gritos de “caloteiro!” numa feira agropecuária em Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre.

Pode-se odiar Thatcher, mas ela tinha clareza e convicção, essenciais no enfrentamento da crise atualSartori era o candidato improvável nas eleições de 2014. Nas primeiras pesquisas eleitorais, aparecia com apenas 7% nas intenções de voto. Os favoritos eram Ana Amélia, do PP, e Tarso Genro, do PT. Na reta final do primeiro turno, conseguiu emplacar a imagem de homem do povo e via alternativa aos políticos tradicionais. Ganhou o apelido de “gringo”, dado aos descendentes de italianos da Serra Gaúcha. As pesquisas feitas na véspera do pleito mostravam que Sartori havia ganhado mais de 20% das intenções de voto em apenas dois dias. No segundo turno, com apoio da maioria dos partidos derrotados no primeiro turno, manteve-se à frente de Tarso. Foi eleito com 61% dos votos.

O governador faz parte de uma geração muito especial de políticos – todos os que ocupam posições de poder hoje. São especiais não porque demonstrem mais capacidade, ética ou dedicação que os políticos em geral no Brasil. Mas porque desabou sobre a cabeça deles o resultado de décadas de irresponsabilidade com as contas públicas. Caberá a eles tentar reagir. Daqui a décadas, historiadores olharão para trás, para este período em que o país atravessou a recessão mais severa de todos os tempos, e saberão quais desses políticos fizeram o que era preciso. Sartori talvez seja incluído nesse grupo, se tiver brio para continuar a suportar as vaias."

Reprodução da Revista Época/Marcos Coronato de 28/11/2016



Nenhum comentário:

Postar um comentário